Candói começa sentir saudades dos foguetes


A população de Candói começa sentir saudade dos foguetes de Elias Farah Neto. Parece que a democracia nos traiu.

Eu não sei se entendi bem as informações colocadas na página da Prefeitura Municipal de Candói: em 2013 seria gasto mais de 20 milhões de reais com o executivo e legislativo? Este valor é praticamente metade do valor arrecadado, a contabilidade está incorreta?

Três meses de gestão petista pode ser definida em uma única palavra inação.

Pasme, a Câmara Municipal de Candói está sendo reformada enquanto a escola Ormi França Araújo está na mesma. Não quero nem falar das comunidades abandonadas próximas a Lagoa Seca.

Renovação


Esta semana Candói ficou mais triste porque realizaram um serviço impressionante de desmatamento.  Os funcionários da prefeitura retiraram parte da floresta das duas únicas avenidas da estranha cidade-campesina. As ruas ficaram mais limpas, falta fazer uma licitação para plantar no lugar flores vermelhas. Ninguém se assuste.

Aonde estão os garis para limpar o lixo jogado nas ruas?

Claro, ia esquecendo estão ajudando a limpar as residências por causa do mosquitinho. Seria mais fácil se fôssemos educados e jogássemos o lixo dentro da lixeira, mas aonde há lixeiras mesmo?

A super-creche de Dilma, a petista economista e mãe do PAC (pibinho de 2012 foi 0.9%) não será construída, segundo boatos.

No combate a Degue, Gelson Costa (PT, Candói) mostra para quê veio


Nas últimas semanas, a prefeitura de Candói por meio da Secretaria de Saúde está realizando campanha de conscientização contra a Dengue. 

Os funcionários da prefeitura estão realizando um mutirão no interior do município e na região considerada urbana.

Segundo relatos, dois focos do mosquito foram encontrados na suposta cidade e na Lagoa Seca. Aluns moradores tinham estocados no quintal até mil e quinhentas peças de roupas jogadas a céu aberto.

Outro morador tinha estocado mais de sessenta pneus.

O que chama a atenção é que a prefeitura municipal de Candói sempre recebeu verbas governamentais para fazer esse trabalho de conscientização.

Na gestão anterior, o máximo que se podia ver era um panfleto jogado no balcão do Centro de Saúde.

A nova gestão mostra aos poucos que o município precisa de gerenciamento inteligente dos recursos financeiros e humanos e ninguém precisa reinventar a roda.

Pergunto, a maioria dos funcionários são os mesmos na gestão anterior e agora, por que estão espantados com a quantidade de sujeira encontrada nas residências?

Eu entenderia o seguinte: nunca tivemos a oportunidade de pensar e nunca fomos motivados a promover mudanças pequenas, mas significativas para o bem-estar social da polução. Isto é, fazer o nosso trabalho.

 

 

 

Oi é multada em R$ 34 milhões por descumprir metas de qualidade


Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A empresa de telefonia Oi terá que pagar uma multa de R$ 34,2 milhões por descumprimento de metas de qualidade impostas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) às operadoras de telefonia móvel. A pena foi publicada hoje (15) no Diário Oficial da União, e a empresa não tem mais como recorrer da decisão dentro da Anatel, mas pode buscar a Justiça.

O superintendente de Serviços Privados da agência, Bruno Ramos, explicou à Agência Brasil que a multa é referente ao descumprimento de todos os 12 indicadores de qualidade previstos no antigo Plano Geral de Metas de Qualidade. Entre os itens estão taxas de reclamação,  chamadas completadas, queda de ligação, pedidos de informação, atendimento ao usuário e de recuperação de falhas. Também foi descumprido o índice que trata da taxa de reclamação de cobertura e de congestionamento de canal de voz.

Segundo Ramos, a Anatel verificou o descumprimento dos indicadores durante todo o ano de 2009, e a multa foi aplicada em 2010. A Oi recorreu em 2011, mas o Conselho Diretor da agência negou o recurso, e a empresa entrou com pedido de reconsideração, que já foi julgado pela agência. “Essa multa já é transitada em todas as áreas administrativas, e não tem mais revisão na Anatel, por isso foi publicada hoje”, disse o superintendente.

A multa foi aplicada pela Anatel para as prestadoras TNL PCS e Brasil Telecom Celular, ambas do grupo Oi. A Oi informou, por meio da assessoria de imprensa, que está analisando o teor da decisão anunciada pela Anatel e acrescenta que irá recorrer.

Edição: Carolina Pimentel

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

 

Estudantes sem transporte escolar


Segundo rumores nada oficiais, a Prefeitura de Candói com toda a sua representatividade política no governo federal será incapaz de fornecer os ônibus escolares no dia 14 de fevereiro, início do ano letivo.

Mais uma vez os estudantes serão prejudicados.

Destaco apenas que a Secretaria de Educação antecipou os valores referentes ao transporte escolar para o início de fevereiro. Antes a ajuda do governo estadual chegava ao cofre da prefeitura em abril.

O problema não é dinheiro. É ingerência.

É preciso denunciar e não ter medo, recomenda ministra sobre tráfico de pessoas


Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O governo do Brasil vai intensificar a campanha de combate ao tráfico de pessoas, ampliando o serviço de atendimento às denúncias sobre esse mercado. Para obter resultados, a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, faz um apelo, em entrevista àAgência Brasil: “A primeira coisa a fazer é denunciar e não ter medo. Ser traficada, ser violentada, não é vergonha para ninguém. Podem ter certeza, o governo brasileiro está do lado das mulheres e vítimas. O governo não aceita mais conviver com o tráfico”.

A ministra lembrou que o tráfico envolve não só mulheres, mas crianças e homossexuais. “Denunciar vale para todos. A pessoa não pode ser discriminada nem excluída por causa de sua escolha sexual. Falo isso de alma e coração. O governo não aceita conviver com a homofobia nem com a lesbofobia. Somos todos brasileiros. É uma diretriz de governo, uma posição e uma convicção”, ressaltou. A seguir, os principais trechos da entrevista da ministra:

Agência Brasil – O aumento das discussões sobre o tráfico de mulheres é provocado pela elevação de casos nos últimos meses?
Eleonora Menicucci – Não. Isso não significa que aumentou, mas, sim, que o assunto saiu do esconderijo e só sai de baixo do tapete quando há um governo determinado a resolver a questão. A presidenta Dilma Rousseff é obcecada pelo tema do enfrentamento à violência e ao tráfico de pessoas e por isso há uma política de governo neste sentido. No que se refere ao tráfico de pessoas, historicamente as crianças e as mulheres são as principais vítimas.

Agência Brasil – Há uma razão para que mulheres e crianças sejam as principais vítimas do tráfico de pessoas?
Eleonora Menicucci – As crianças, porque indefesas, e as mulheres porque ainda predomina o sistema do patriarcado, no qual elas são traficadas para fins de negócios e de mercado. As mulheres são objeto de negócios, no caso, do [mercado de] sexo. O que não tem relação alguma com prostituição, é preciso fazer essa distinção.

Agência Brasil – Qual a diferença entre tráfico de pessoas para fins de exploração sexual e prostituição?
Eleonora Menicucci – A mulher quando é traficada, o objetivo é que outros ganhem dinheiro [à custa dela]. Isso é crime. A prostituição, a pessoa faz programas sexuais para viver – ou não, mas de alguma maneira é [uma iniciativa] espontânea.

Agência Brasil – Há mais de um ano participando da campanha de combate ao tráfico de pessoas, o que a senhora recomenda para as famílias das vítimas e até mesmo para quem foi aliciado?  
Eleonora Menicucci – Antes de tudo, a primeira coisa é denunciar e não ter medo. Ser traficada, ser violentada não é vergonha para ninguém. Podem ter certeza, o governo brasileiro está do lado das mulheres e vítimas. O governo não aceita mais conviver com o tráfico. Quem fazia isso [traficar pessoas] era a escravidão. Estamos empenhados em acabar com os resquícios da escravidão.

Agência Brasil – Homossexuais e transexuais também são vítimas das redes de tráfico de pessoas. O governo observa isso?
Eleonora Menicucci – Denunciar vale para todos. A pessoa não pode ser discriminada nem excluída por causa de sua escolha sexual. Falo isso de alma e coração. O governo não aceita conviver com a homofobia nem com a lesbofobia. Somos todos brasileiros. É uma diretriz de governo, uma posição e uma convicção.

Agência Brasil – O governo concentrou-se no combate às redes de tráfico de pessoas em Portugal, na Espanha e na Itália. Há pretensões de ampliar a campanha para outros países?
Eleonora Menicucci – Sim. Queremos ampliar ainda este ano.Vários acertos estão sendo feitos. Mas é um processo. Esses países [Portugal, Espanha e Itália] foram escolhidos devido à facilidade de tráfico existente nessas regiões. Além disso, a crise econômica [internacional] acabou aumentando a ação dos traficantes e o idioma [próximo ao português falado no Brasil] também ajuda. Mas há também casos [em investigação] em El Salvador, na França, em Luxemburgo e na Suíça.

Agência Brasil – Para a senhora, a atuação da CPI do Tráfico de Pessoas vai colaborar com a campanha nacional?  
Eleonora Menicucci – Acho extraordinário [o trabalho] da CPI. É uma proposta que vem somar ao enfrentamento ao tráfico de pessoas. Sem dúvida, agrega e sensibiliza a atuação do Congresso.

Agência Brasil – O tráfico existe de uma forma geral, então?
Eleonora Menicucci – O tráfico existe dentro do próprio país. No Sul, no Sudeste, no Centro-Oeste, no Nordeste e no Norte. Outro dia desbarataram uma casa em São Paulo e foram encontradas meninas de 12 anos.

Agência Brasil – O traficante tem um perfil?
Eleonora Menicucci – Os envolvidos com o tráfico são pessoas do círculo de conhecimento da vítima, que vigiam a rotina dela. Em geral, os traficantes fiscalizam e acompanham a rotina da vítima, depois partem para o assédio. Em Salamanca [Espanha], por exemplo, eles observavam a rotina das mulheres na academia de ginástica. Mas também é bastante frequente fazer isso em bares.

Agência Brasil – A estratégia de assédio é, em geral, a mesma?
Eleonora Menicucci – As mulheres são seduzidas com a promessa de uma vida melhor, de trabalho com carteira assinada e de forma mais digna. [Em geral], são mulheres pobres, mas há também casos de classe média. Todas têm sonhos de melhorar de vida. Não quer dizer que só as mulheres pobres são vulneráveis. São mulheres bonitas, jovens e promissoras.

Agência Brasil – Quando desembarcam no país prometido, a realidade é totalmente diferente da informada nos primeiros contatos…
Eleonora Menicucci – As mulheres ganham as passagens e as promessas são as mais variadas. Quando chegam [ao país prometido], os documentos são retirados e são informadas que têm dívidas. Houve uma jovem que a dívida dela era de mais de 5 mil euros [mais de R$15 mil]. [Essas mulheres] são confinadas em condições desumanas e sem alimentação. As quadrilhas as mantêm em lugares do tipo boate e não saem para nada. [Também] são obrigadas a ter relação [sexual] o tempo todo.

Edição: José Romildo

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil.