Candói decepciona no IDEB 2012


Os novos resultados do IDEB, índice que mede a qualidade do ensino público brasileiro, aponta uma melhora significativa na qualidade do ensino nos anos iniciais da Educação Brasileira de primeiro ano a quinto ano. No entanto, uma redução da qualidade nos anos finais do ensino fundamental no Brasil.

Entretanto, nos anos iniciais do Ensino Fundamental de primeiro a quinto ano, Candói foi na contramão da média nacional que tinha em 2005 3,7; em 2007 4,2; em 2009 4,7; conseguiu ficar pior em 2011 com apenas 4,3 (a meta era de 4.5) .  As  escolas estaduais também ficaram na mesma média obtida em 2009 ou baixaram a nota em 2011.

Há duas formas razoáveis de melhorarmos o desempenho das escolas públicas brasileiras no ideb. A primeira, não se colocasse mais dirigentes políticos no Ministério da Educação. Ele deveria ser como o IBGE, com profissionais de carreira e respeitado pelos professores, pesquisadores e sociedade civil – o que não é o caso do MEC. A segunda, seria deixar de investir em universidades federais e estaduais, revertendo toda essa verba pública para construir escolas e preparar professores.

As universidades federais e estaduais sobreviveriam de doações, mensalidades, patentes e pesquisas. Os menos favorecidos economicamente poderiam concorrer a vagas nessas instituições desde que também tivessem atividades extracurriculares frequentadas desde os anos finais do Ensino Fundamental como Olimpíadas da Matemática e Língua Portuguesa para receber descontos nas mensalidades.

Eu sei. Sou sonhador demais e ninguém no Brasil, nem mesmo a presidenta Dilma tem coragem de revolucionar o educação brasileira. É melhor continuarmos a formação medíocre que temos oferecido as crianças e adolescentes porque educação não dá voto a ninguém. Além disso, estamos na Era da Mediocridade. Medíocre ensina medíocre. Viva! Somos medíocres.

No município? Pergunte ao seu candidato a prefeito ou vereador.

Candói sabe valorizar o esporte


Este slideshow necessita de JavaScript.

As imagens gritam praticamente sozinhas. As quadras de esportes das escolas públicas do campo estão abandonadas a muito tempo sem qualquer manutenção. Um dos problemas reside no entendimento de qual esfera de poder caberia a responsabilidade pelas obras de manutenção do que é público, de todos.

Nos últimos anos várias escolas foram construídas por iniciativa municipal e estadual. Escolas onde o prédio é usado pelos alunos da rede estadual e municipal. O município comprou ou cedeu o terreno e o estado construiu o prédio. Uma das exigências era que o prédio ao longo do tempo passasse a ser totalmente do governo do estado. O que nunca efetivamente ocorreu.

As verbas recebidas nas contas das escolas geralmente servem para comprar material de limpeza, fazer pequenos reparos elétricos, fechaduras e etc. Mas quando a obra precisa ser mais ampla cabe ao estado ou município realizá-la. A prefeitura tem condições técnicas melhores para realizar convênio com o governo do estado para reformar as quadras.

Os estudantes beneficiados seriam os filhos de produtores de alimentos da agricultura familiar do município de Candói.

Por que a quadra de esportes na cidade é melhor do que no campo? Simples. Na cidade todo mundo vê, no campo fica escondida. Claro, educação não garante votos.

Que tal construir uma prefeitura nova?

Trevo de acesso à Lagoa Seca pode pôr a vida dos pedestres em risco de morte


 

Os cidadãos e cidadãs da Lagoa Seca não são santos. Então, me parece que não precisam de promessas idealistas. São trabalhadoras e trabalhadores que merecem também atenção da inação pública para a promoção da dignidade da pessoa humana por meio de ações que promovam o bem-estar social.  A liberdade de escolha pode contribuir para deixar o atraso e abandono para trás.  Que história estamos construindo? O que vamos deixar para os que restarem em Candói? Será que este município tem vida longa?

Estradas do São Pedro


Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos enviadas por moradora da região.

Somos responsáveis, basta ver como em vinte anos ou menos cuidamos do dinheiro público investido na estrada do São Pedro. Acredite, as fotos acima são de um asfalto de responsabilidade municipal destruído pela falta de manutenção. Parece que agora vão gastar mais alguns milhões para recuperá-la. Estamos ansiosos pelo cumprimento das pressões exercidas sobre o legislativo com as associações de agricultores da região. Seria muito ruim se a obra não for iniciada e concluída em um pouco mais de cinco meses.

Com fé é possível, vamos todos começar a nos ajoelhar e esperar com a certeza que Ele fará.

Gelson da Costa (PT) é ousado ou mentiroso?


Se a eleição para prefeito no Candói e o eleitor tivesse que avaliar os planos de governo enviados pelos candidatos a prefeito, poderíamos escolher entre a continuidade daquilo que não foi nem perto cumprido pelo então candidato e atual prefeito Elias Farah. Ou apostar na ousadia de Gelson da Costa em propor construção de Ginásio de Esportes e Prefeitura, agroecologia, agricultura familiar e agroecoturismo. Mas…

Os candidatos terão naturalmente tempo para esclarecer vários pontos expostos nos planos.

Acredito que para o desenvolvimento do município deveríamos ter responsabilidade em levar o acesso a rede mundial de computadores, telefones ao agricultor familiar, mas também, devemos levar habitação adequada para promover o bem-estar social, creche para o campo, cascalhar as estradas, água potável e a redução no uso de agrotóxicos na produção de alimentos.

Antes, devemos ter consciência que precisamos erradicar a extrema pobreza e pobreza no campo e na cidade. Com atenção especial ao campo porque 16,1% da população (de quase 15 mil habitantes) na extrema pobreza está na área rural contra 6,6% na área urbana. A composição da renda no campo no Estado do Paraná dos moradores do campo não vem, pelo menos até 2009, do trabalho, mas de benefícios sociais como a aposentadoria. A ascensão das classes E e D para a C está ocorrendo fortemente nas áreas urbanas enquanto no campo a classe média está sendo comprimida. Os benefícios do desenvolvimento econômico brasileiro não estão chegando com toda a força no campo.

Outro foco relevante seria os jovens do campo, alguns terminam o Ensino Médio no campo sem ter o mesmo conhecimento tradicional dos pais no cultivo de alimentos, pode ser porque não gostam da vida ‘sofrida’ e ‘desvalorizada’ dos pais e simpatizam com a ideia de buscar formação em instituição de nível superior.

Assim, esse jovem teria que morar na ‘cidade’ para ir até outra cidade para formar-se. Então, o jovem vai buscar o primeiro emprego sem saber fazer nada, sem experiência alguma. Parece que vai ter algumas dificuldades, entre elas, há vaga? Para fazer o quê?

Elias Farah (PSDB) e Maurício (PDT) são os milionários da eleição candoiana


Elias Farah Neto (PSDB)

Elias Farah do PSDB e Maurício do PDT são os candidatos milionários da eleição municipal de Candói. Juntos eles possuem quase cinco milhões de reais. Ambos têm terrenos urbanos, fazendas, carros, investimentos e apartamentos em seus nomes. Continuar lendo

“Vivemos em um município onde 47% da população vive na linha da extrema pobreza” Chrisler


O meu envolvimento na militância política se deu em grande parte por todo o desabafo que você fez, e que realmente revolta a todos os cidadãos que contribuem para que essa situação seja mantida, e como a grande maioria dos que conseguem alcançar uma formação superior, tive uma grande dificuldade de poder exercer a minha profissão, vim de uma família humilde que como muitos pais, tiveram que tirar muito suor para poder dar ao filho, o que jamais vai ser lhe tirado que é a educação. Continuar lendo

Candói: Dentista Chrisler de Andrade (kshatriya) pretende inserir um jeito indiano de criar oportunidades


Dentista Chrisler Luis de Andrade

As ideias do candidato Chrisler de Andrade publicadas no Jornal Vale do Iguaçu parecem boas, mas escondem nas entrelinhas o regime de castas na Índia, abolido em 1950 pela constituição. Seremos brahmin, vaishas, shudras e os dalit. O que não tem nada a ver com o PPS. Continuar lendo

Candói: Entrevista com o pré-candidato à eleição municipal


Alop: Candói tem mais dois pré-candidatos à eleição e hoje entrevistaremos um deles. Eles estão sempre lá na urna como opção para votação, mas os cidadãos de Candói não os conhecem bem. Porque  não tiveram a oportunidade de conhecer as suas propostas para melhorar a Saúde,  a Educação, o Emprego e a Segurança Pública. Condições essenciais para promoção do bem-estar social. Bom dia pré-candidato e mais uma vez obrigado por nos receber aqui em sua residência. Continuar lendo

Candói: Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal


O jornal Diário de Guarapuava divulgou recentemente uma reportagem sobre a gestão fiscal dos 22 municípios da região de Guarapuava baseada nos resultados do Índice Firjan de Gestão Fiscal. Segundo a matéria, Candói se destaca pelo conceito B. Poucas cidades brasileiras pertencem a este grupo de classificação.

Em 2011 a Firjan (ano base 2009) divulgou outro ranqueamento que avalia e classifica o desenvolvimento dos municípios brasileiros atribuindo conceitos a Educação, Saúde e Emprego & Renda. Candói é considerado de desenvolvimento moderado, com IFDM em 0.6339. Em Educação foi 0.6847, Saúde 0.8621, Emprego e Renda 0.3548.

Os investimentos estão concentrados em Saúde e não em Educação, geração de empregos e melhor renda para o trabalhador.

Os gestores públicos entenderam errado a Lei de Responsabilidade Fiscal porque não é meta de gasto 54% em pessoal, mas sim limite máximo. O prefeito de Maringá poderia nos ensinar a como administrar melhor um município.

Quando uma prefeitura pretende economizar com pessoal logo ataca as escolas rurais. Condenando os filhos dos agricultores a uma baixa escolaridade. A evasão escolar ocorre também quando a distância da residência até a escola é longa, tornando mais cansativo e desmotivante a frequência escolar.

Não podemos nos esquecer que o abandono das escolas rurais faz o Brasil e Paraná amargar uma alta taxa de analfabetismo e infelizmente se concentra principalmente no campo. Educação pública, universal e de qualidade é o pilar capaz de garantir qualquer desenvolvimento sustentável. Direito conquistado em 1988 para todos os brasileiros.

Os resultados positivos dos últimos anos como redução da pobreza aconteceu devido a maior nível de escolaridade, redução no número de nascimentos, melhor qualidade no atendimento a Saúde da gestante, redução da transmissão de AIDS de mãe para filho. Pela primeira vez o número de estudantes de nível superior no Paraná é maior no interior do Estado, resultado positivo alcançado pelas políticas de interiorização das universidades estaduais e crescimento das faculdades particulares.

O  caminho definitivamente é Educação.

Acesse IFDM 2oo9 para ver outros resultados.