A justiceira Dilma, presidenta do Brasil


Depois da faxina no governo federal e guerreado com o expansionismo europeu e americano durante a fase aguda da crise dos pilantras, conhecidos como investidores no vácuo. Dilma atacou os bancos públicos e privados para acompanharem a solidez fiscal do país e a taxa básica de juros, a Selic.

As taxas estão sendo reduzidas para níveis civilizados. A lógica é muito simples: se um banco pode pegar emprestado dinheiro mais barato no exterior, o repasse do custo deste empréstimo ao cliente deve ser menor também.

Porém, o interesse em baixar os juros é uma tentativa desesperada de aquecer as vendas no varejo e melhorar por consequência o nível de atividade das indústrias.

As empresas de telefonia estão sendo cobradas pela péssima qualidade dos serviços caros oferecidos. Um sinal de incompetência de uma empresa é cobrar muito e oferecer nem mesmo o mínimo de qualidade. Foi o que vimos com a Tim, a Claro e a Oi.

Nesta primeira semana de setembro estão sendo selecionados pelo Brasil afora voluntários para ajudar na medição da qualidade da banda larga. O resultado será terrível para as empresas. Elas geralmente vendem uma taxa nominal de dois megas por exemplo, mas a realidade pode ser de apenas vinte e cinco por cento do tempo usado com o nível perto do real dois megas. O preço na conta do consumidor é o mesmo independente de estar sendo usado dois, um mega ou menos do que isso. Novamente as empresas assaltando os consumidores e o governo rindo da cara dos trabalhadores.

O que de fato ainda é necessário rever é o absurdo das privatizações das rodovias estaduais e  federais. Preço elevado e qualidade na prestação do serviço muito baixa. A água também é um absurdo. A água não pode ser privatizada porque é direito de todos, mas foi, no estado do Paraná os investidores estão olhando apenas para o lucro da empresa SANEPAR. As taxas são elevadas sempre acima da taxa da inflação. Ou seja, o trabalhador ganha de um lado e perde pela incompetência das agências reguladoras do sistema que têm funcionários e políticos pagos com dinheiro público para fiscalizar.

O que aguardo é uma atitude mais clara do governo diante ao caos educacional que estamos vivendo. Diz uma teoria que caminhamos para o caos. O mundo não é harmônico. Ele precisa se reinventar constantemente. A Educação brasileira pública deve ser destruída para ser possível uma reformulação de suas bases porque os cupins já as comeram e está tudo prestes a cair sobre nossas cabeças. Alguém se importa?

Claro que não porque se o trabalhador elevar o nível de sua formação pode se tornar um insubordinado, porque pode exigir seus direitos trabalhistas, cobrar um salário melhor. Para o Brasil ser um país de todos os estrangeiros, ele precisa ser um país de mão de obra barata.

Em breve o nosso chefe será Chinês.

O que o Brasil ofereceu aos americanos


Presidenta Dilma Rousseff durante encerramento do seminário Brasil-EUA: Parcerias para o Século XXI. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Dilma incorpora diversas qualidades que o Brasil tem a oferecer aos EUA.

Eis algumas delas: otimismo quanto ao futuro; trabalho árduo pelo bem comum; compromisso com a expansão das oportunidades dos mais necessitados e daqueles que começam a progredir; confiança para desafiar o status quo e a correção política, tanto no país quanto no exterior; vontade política para reunir indivíduos de histórias e visões de mundo muito distintas; e, sim, a sensibilidade de uma mulher que sabe que é essencial enfrentar a complexa dinâmica de gênero e poder para permitir um pleno florescimento da democracia.

JULIA SWEIG é diretora do Programa América Latina e do Programa Brasil do Council on Foreign Relations

Fonte: Folha de S. Paulo

Querida Presidenta Dilma O Imposto da Saúde Deve Sair do Sistema Financeiro Brasileiro


Presidenta Dilma Rousseff discursa na V Cúpula do Fórum Ibas, em Pretória, África do Sul. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Não podemos ficar reféns de visões ultrapassadas ou de paradigmas vazios de preocupação social em relação ao emprego e em relação à riqueza dos povos. É prioritário solucionar o problema da dívida soberana e reverter o quadro recessivo global. É inadiável a regulamentação do sistema financeiro; é fundamental pôr fim a políticas monetárias que provocam uma verdadeira guerra cambial e estimulam o protecionismo.”

Querida presidenta Dilma precisamos então buscar o financiamento da saúde pública brasileira na criação de um novo imposto social aos bancos brasileiros que tem lucros abusivos que deterioram constantemente o salário do brasileiro. E fomentar a poupança melhorando o rendimento mensal delas. Dinheiro inclusive usado para financiar programas sociais.

7 de Setembro Independência do Brasil, “Ordem e Progresso, ou Corrupção?”


O Grito do Ipiranga “Independência ou Morte!” libertou o Brasil politicamente de Portugal. Hoje estamos relativamente imunes as irresponsabilidades finaceiras de países desenvolvidos que sofrem claramente com a sua própria incapacidade de solucionar seus problemas econômicos. Impedindo o desenvolvimento de países como o Brasil.

Temos muito a comemorar? Temos, mas ainda temos muito o que fazer como disse a Querida Presidenta Dilma ontem à noite. Temos que resolver a Educação vergonhosa deste país para patamares adequados a grandeza de seu território e povo. Temos que enfrentar o desafio de oferecer Saúde de qualidade e gratuita ao povo brasileiro, a Segurança também é outro tema constante nas propostas políticas, mas muito pouco se tem feito para melhorar o gerenciamento dos recursos e ampliar os investimentos.

O Brasil investe muito pouco em Educação, mas em armamento o investimento é gigantesco. É a demonstração clara de que o país prefere armas à Educação de qualidade aos brasileirinhos. Tem economista que defende o gerenciamento, investimento e transparência dos recursos públicos em áreas importantes como o da infraestrutura e outras consideradas o pilar do desenvolvimento sustentável, como é o caso da Educação. Da mesma forma, a punição deve ser exemplar aos envolvidos em escândalos de corrupção. Os brasileiros estão cheios de tanta impunidade. Portanto, hoje é o dia de gritar juntos “Ordem e Progresso, ou Corrupção?”

No Rolls-Royce, a presidenta Dilma Rousseff acena para populares na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, durante abertura do desfile cívico-militar em comemoração ao Dia da Pátria. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

“Um país que tem rumo e sabe da grandeza do seu destino. Um país que, com o malfeito, não se acumplicia jamais. E que tem na defesa da moralidade, no combate à corrupção, uma ação permanente e inquebrantável. Um país que vem surpreendendo o mundo com seu progresso, mas que sabe que precisa avançar ainda mais. Sabe que precisa melhorar mais, não para mostrar ao mundo que temos valor, mas, para mostrar a nós mesmos que o maior valor que podemos alcançar é o de garantir a qualidade de vida de 190 milhões de brasileiros. Viva o Sete Setembro! Viva o Brasil! Viva o Povo Brasileiro!”

                                         Fonte:  Blog do Planalto