No combate a Degue, Gelson Costa (PT, Candói) mostra para quê veio


Nas últimas semanas, a prefeitura de Candói por meio da Secretaria de Saúde está realizando campanha de conscientização contra a Dengue. 

Os funcionários da prefeitura estão realizando um mutirão no interior do município e na região considerada urbana.

Segundo relatos, dois focos do mosquito foram encontrados na suposta cidade e na Lagoa Seca. Aluns moradores tinham estocados no quintal até mil e quinhentas peças de roupas jogadas a céu aberto.

Outro morador tinha estocado mais de sessenta pneus.

O que chama a atenção é que a prefeitura municipal de Candói sempre recebeu verbas governamentais para fazer esse trabalho de conscientização.

Na gestão anterior, o máximo que se podia ver era um panfleto jogado no balcão do Centro de Saúde.

A nova gestão mostra aos poucos que o município precisa de gerenciamento inteligente dos recursos financeiros e humanos e ninguém precisa reinventar a roda.

Pergunto, a maioria dos funcionários são os mesmos na gestão anterior e agora, por que estão espantados com a quantidade de sujeira encontrada nas residências?

Eu entenderia o seguinte: nunca tivemos a oportunidade de pensar e nunca fomos motivados a promover mudanças pequenas, mas significativas para o bem-estar social da polução. Isto é, fazer o nosso trabalho.

 

 

 

Elas não são as professorinhas municipais, não são as tias, são profissionais!


Um mês de administração petista no município de Candói e tudo está exatamente do mesmo jeito. Eu sei que não é verdade, querido leitor. As mudanças foram físicas, retirar algum departamento ou secretaria de um endereço e colocar em outro supostamente com o objetivo de melhorar o atendimento aos cidadãos e as cidadãs. As vísceras foram expostas. O mais novo prefeito e sem experiência alguma como gestor público, isto é, daquilo que é de todos, resolveu mostrar a incompetência municipal colocando os veículos em péssimo estado de conservação na frente de todos para enxergar o óbvio. As estradas no interior estão a meses sem manutenção porque a gestão anterior parou de fazer a manutenção, bem essa poderia ser a justificativa da gestão petista. No entanto, por que ainda não resolveram? Medicamentos e médicos no Centro de Saúde Municipal ainda não foram resolvidos.

Ainda nas mudanças, as prioridades mudaram, segundo o prefeito Gelson Costa, a Educação receberia atenção especial porque a Escola Municipal Ormi França Araújo está com classes lotadas, com fiação exposta, buracos no entorno escolar e mato, com tecnologia nas salas de aula para auxiliar o professor ou professora, mas sem condições adequadas de trabalho e reconhecimento remunerado pelo trabalho que realizam. O trabalho dessas professoras é o mais importante porque esperam delas a resolução de todos os problemas sociais. Nossas crianças precisam de atenção, mas não é só da professora milagrosa.

O baixo desempenho das escolas municipais de Candói fez alguns infelizes e estúpidos imaginar que a culpa é das professoras, elas têm metodologias ultrapassadas, segundo os ignorantes. O problema seria a metodologia adotada para ensinar nossas crianças.

A observação é mais do que equivocada porque ao contrário de pôr a responsabilidade toda sobre as professoras devemos ir até a escola conhecer o ritmo de trabalho e quantos alunos por turma uma sala de aula tem. O tempo que elas podem dedicar ao trabalho e vida social. Sim. Professoras municipais também têm família e vida social e não são milionárias. Elas trabalham dignamente como todos os demais profissionais e merecem muito respeito. Antes de culpá-las pelo baixo desempenho na Prova Brasil, devemos ler a Constituição Brasileira que diz que a Educação é responsabilidade da Família, Estado e Sociedade. Alguém ficou de fora? Claro, sem dúvida – os vereadores, os prefeitos, os governadores, a presidenta da república – porque não fazem parte da sociedade, essas pessoas estão acima da lei.

Elas não são as professorinhas municipais, não são as tias, são profissionais! Vamos ouvir o que elas querem para realizar seu trabalho?

É possível suspeitar de algumas reivindicações antigas das professoras municipais como a remuneração, salas de aula com menos estudantes por turma, mais tempo para hora-atividade, formação continuada e não a enrolação infeliz como tanto as professoras municipais e estaduais foram perturbadas nos últimos dias. Os problemas da Educação não são resolvidos colocando a culpa nas professoras ou oferecendo Semana Demagógica.