Gelson da Costa lidera com 31,44% nas intenções de voto dos internautas


Gelson da Costa (PT), candidato a prefeito de Candói, está liderando na intenção de votos dos internautas. Mas há alguns problemas em considerar como um bom termômetro. Os candidatos estão contratando institutos para verificar as intenções de voto dos cidadãos nas ruas para ter informações mais consistentes. O interessante é que todos estão sempre liderando, não importa com quem se converse a respeito. Enviei uma mensagem ao administrador da página Intenção de Voto com o seguinte conteúdo:

A página não mostra o número de pessoas que votaram em determinado candidato. Existe um problema quanto ao voto na página. As pessoas podem criar inúmeros e-mails e votar diversas vezes. Eu não sei se há alguma outra forma de melhorar o registro de votos. Seria interessante se o IP do PC fosse registrado também e os IPs repetidos deletados com seus respectivos votos.

Recebi a seguinte resposta:

Esclarecemos que nossa preocupação com a segurança dos dados e sistema de votação é constante, e nossos esforços para melhorarmos o sitema são contínuos.

Estamos implantando novos sistemas de verificação e bloqueio para inibir as fraudes, porém, sempre há os usuários dispostos a burlar o sistema.

Quanto ao número de votos, ainda nessa semana habilitaremos a visualização de votos por município.

 

 

Gelson da Costa (PT) é ousado ou mentiroso?


Se a eleição para prefeito no Candói e o eleitor tivesse que avaliar os planos de governo enviados pelos candidatos a prefeito, poderíamos escolher entre a continuidade daquilo que não foi nem perto cumprido pelo então candidato e atual prefeito Elias Farah. Ou apostar na ousadia de Gelson da Costa em propor construção de Ginásio de Esportes e Prefeitura, agroecologia, agricultura familiar e agroecoturismo. Mas…

Os candidatos terão naturalmente tempo para esclarecer vários pontos expostos nos planos.

Acredito que para o desenvolvimento do município deveríamos ter responsabilidade em levar o acesso a rede mundial de computadores, telefones ao agricultor familiar, mas também, devemos levar habitação adequada para promover o bem-estar social, creche para o campo, cascalhar as estradas, água potável e a redução no uso de agrotóxicos na produção de alimentos.

Antes, devemos ter consciência que precisamos erradicar a extrema pobreza e pobreza no campo e na cidade. Com atenção especial ao campo porque 16,1% da população (de quase 15 mil habitantes) na extrema pobreza está na área rural contra 6,6% na área urbana. A composição da renda no campo no Estado do Paraná dos moradores do campo não vem, pelo menos até 2009, do trabalho, mas de benefícios sociais como a aposentadoria. A ascensão das classes E e D para a C está ocorrendo fortemente nas áreas urbanas enquanto no campo a classe média está sendo comprimida. Os benefícios do desenvolvimento econômico brasileiro não estão chegando com toda a força no campo.

Outro foco relevante seria os jovens do campo, alguns terminam o Ensino Médio no campo sem ter o mesmo conhecimento tradicional dos pais no cultivo de alimentos, pode ser porque não gostam da vida ‘sofrida’ e ‘desvalorizada’ dos pais e simpatizam com a ideia de buscar formação em instituição de nível superior.

Assim, esse jovem teria que morar na ‘cidade’ para ir até outra cidade para formar-se. Então, o jovem vai buscar o primeiro emprego sem saber fazer nada, sem experiência alguma. Parece que vai ter algumas dificuldades, entre elas, há vaga? Para fazer o quê?