Fluência oral deve ser um dos objetivos do ensino de línguas na Educação Básica


Segundo proposta do senador Cícero Lucena, o ensino de línguas estrangeiras modernas têm recebido altos investimentos no Brasil afora, mas os resultados  são modestos.

Senador, eu não sei em que país Vossa Excelência vive, porque no Brasil onde vivo não há altos investimentos em porcaria alguma.

O fracasso no ensino de um idioma estrangeiro nas escolas pública está intimamente ligado ao enorme número de estudantes por sala. Como se pretende ensinar uma habilidade altamente complexa como a oralidade em uma turma com vinte e cinco estudantes durante aproximadamente trinta minutos bem aproveitados?

Francamente, vamos nos preocupar com royalties do pré-sal para a Educação. Depois discutimos o que fazer com os malfeitos e ver que os resultados continuam modestos.

Resposta à publicação do jornal Estadão.com.br.

Candói: Índice Firjan de Gestão Fiscal 2010


O Índice Firjan de Gestão Fiscal (ano base 2010) classifica e avalia os municípios de todo o Brasil.  Ele ajuda a compreender a responsabilidade fiscal dos gestores públicos. A nota varia de 0 a 1, quanto mais perto de 1 melhor é a avaliação e o conceito.

O IFGF de Candói é 0,7468, conceito B (entre 0,6 e 0,8). A receita própria é de conceito D. Os investimentos e gasto com pessoal estão elevados. Uma prefeitura pode gastar quase sessenta porcento da receita com funcionários enquanto com Saúde é quinze porcento, Educação vinte e cinco porcento. 

De 2009 para 2010 a prefeitura aumentou os gastos com pessoal. A lei de responsabilidade fiscal diz que um município pode destinar “6% (seis por cento) para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas do Município, quando houver e 54% (cinqüenta e quatro por cento) para o Executivo.”

Acesse a página Firjan para ver o grático.